Milhares de pessoas vivem do ML

Milhares de pessoas vivem do ML. De acordo com a empresa de comércio eletrônico, 45 mil vagas devem ser geradas este ano por quem usa a plataforma.

Pesquisa encomendada pelo Mercado Livre à Nielsen revela que 134 mil pessoas vivem com renda total ou parcial proveniente da venda de produtos por meio da empresa de e-commerce.

Além disso, de acordo com a pesquisa, 45 mil novas vagas devem ser geradas este ano pelos varejistas que usam o Mercado Livre como plataforma.

O estudo ouviu os maiores vendedores da plataforma em cinco países – Argentina, Brasil, México, Venezuela e Colômbia – com o objetivo de fazer uma radiografia do impacto econômico e profissional das atividades oferecidas pelo site de e-commerce.

A expectativa de contratações tem como base o desempenho de vendas registrado em 2011. Dos entrevistados pela Nielsen, 68% declararam que houve um crescimento geral nas vendas de sua empresa, percentual ainda maior entre os brasileiros: 74%. As vendas realizadas por meio do MercadoLivre acompanham a tendência de crescimento, segundo 65% dos entrevistados nos cinco países.

Para 77% dos vendedores, a internet é o canal mais rentável, e 93% consideram que a web vai continuar crescendo em 2012, devido a aspectos como: aumento do número de pessoas com computador (58%); de pessoas com acesso à internet e mais lugares com wi-fi (56%); mais publicidade offline feita pelos sites de venda (53%); mais anúncios em redes sociais (50%) e crescimento de internautas móveis (48%).

Quando perguntados sobre quais as principais preocupações em relação ao seu negócio, brasileiros e colombianos são mais confiantes e consideram que merece atenção o crescimento da concorrência. Argentinos e mexicanos temem o aumento de preços, que poderia ocasionar uma redução no consumo.

Ainda olhando para o futuro, a grande mudança percebida no comércio eletrônico é a possibilidade de transações comerciais por mobile, segundo 72% dos entrevistados.

Para 65%, a inovação consiste na venda pelas redes sociais, enquanto 48% citam as vendas por internet na TV e 36% mencionaram a adoção de moedas digitais.