Mobile commerce – Comércio Eletrônico Móvel

Mobile commerce movimentará US$ 6 bi em 2011. Há fortes evidências de que empresas que não se dedicarem em aprimorar as estruturas que têm de comércio eletrônico e atendimento à clientes na web sofrerão grandes perdas em seus negócios, apura estudo divulgado pela Compuware, fornecedora de soluções de gestão do desempenho de aplicações. Pesquisa ouviu 4014 usuários de todo o mundo.

O levantamento aponta que o comércio eletrônico feito via plataformas móveis movimentará US$ 6 bilhões ainda em 2011. E há outros fatores que mostram esse impulso. No quesito publicidade, por exemplo, os lucros trazidos ao Google pela plataforma Google Mobile Ads já alcançou a média de US$ 1 bilhão por ano, e está crescendo.

Até 2015, projeções apontam um crescimento no comércio eletrônico mobile que alcançará a marca de US$ 119 bilhões. A Amazon já conta com receita de mais de um bilhão de dólares por ano, vindos apenas de suas vendas feitas em plataformas móveis.

O levantamento também apurou que os usuários, independente do meio de acesso, esperam que experiências online em aplicativos ou browsers sejam velozes, convenientes, dinâmicas e satisfatórias, mas infelizmente, isso quase nunca ocorre, na percepção dos pesquisados.

A maioria dos usuários tem de lidar com serviços não confiáveis, páginas que não carregam corretamente ou com limitações em suas funcionalidades quando fora de um desktop e erros em transações que deveriam ser ágeis.

“A expectativa dos usuários não pára de crescer, mas empresas no Brasil ainda têm dificuldade em trazer serviços ágeis e confiáveis para mercados críticos. A grande perda que isso traz é que esses problemas impedem companhias de se beneficiarem com essas novas plataformas móveis pelas quais poderiam oferecer seus serviços,” afirma Takahiko Yoshida, Presidente da Compuware na América Latina.