Cuidado com propaganda mal interpretada

Cuidado com propaganda mal interpretada. O Conselho de Ética do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) se reuniu no último dia 8, para debater 12 representações. Uma delas era contra a campanha do Azeite Gallo que caiu na suspeita de incorrer em racismo.

A peça em questão divulgava a nova embalagem do produto com a seguinte frase: “Nosso azeite é rico. O vidro escuro é o segurança.” A 2ª Câmara do Conselho decidiu que a criação terá de ser alterada, mas negou que seja um caso de racismo.

“Os conselheiros seguiram o voto do relator, que considerou não haver no anúncio intenção racista mas ponderou que ele permite tal interpretação e que a comunicação não deve dar margem a associações equivocadas, pela responsabilidade social que tem”, afirmou o órgão, em nota enviada ao Adnews.

A AlmapBBDO diz ter recebido a informação de que o anúncio “não foi considerado racista, porém pode dar margem a outras interpretações”. Por isso deverá ser alterado. Muito embora não tenha recebido o teor oficial da decisão do Conar até o presente momento e como o anúncio foi veiculado no ano passado e não voltará à mídia, a agência não pretende recorrer da decisão do Conar.