O grande uso das redes sociais

O grande uso das redes sociais. A América Latina é a região onde mais empresas utilizam as mídias sociais (53%) seguida pelos países do BRIC (50%), de acordo com dados do Internacional Business Report (IBR) 2011 da Grant Thornton. A expectativa é que 78% e 75%, respectivamente, aumentem o uso ainda mais daqui para frente. Segundo a pesquisa, no Brasil, 44% das companhias dizem utilizar as mídias sociais.

Nos mercados desenvolvidos esses números são bem menores. No G7 40% das empresas utilizam as mídias sociais e apenas 35% na Europa, sendo que dois terços (66%) das companhias da União Européia e um pouco mais que a metade (55%) no G7 espera elevação na utilização.

Os resultados revelaram ainda que, globalmente, a publicidade é a principal razão apontada para utilização das mídias sociais (53%), seguida pela comunicação com os consumidores (51%) e recrutamento (43%). Na América do Norte o recrutamento é o principal motivo para o uso das redes sociais (63%). No Brasil, a principal razão para as empresas utilizarem as redes sociais é o cliente (28%).

“Os mercado emergentes parecem ter muito mais fé no impacto que uma rede social ativa pode ter no relacionamento com clientes, fornecedores e até funcionários. As mídias sociais e a tecnologia digital têm um papel vital na expansão dos negócios da seleção e marketing aos relatórios financeiros”, diz Javier Martinez, responsável pelo IBR na América Latina.

Apesar da proliferação da nova mídia, o estudo mostrou que o jornal continua sendo a fonte de informação preferida. No Brasil, 86% dos empresários lêem o jornal regularmente – três ou mais vezes por semana, resultado acima da média global de (79%). Desse, 26% gostam de ler a versão eletrônica e 24% à impressa. Apenas 18% citaram a Internet móvel e 14% a internet fixa como a opção favorita para se informarem.

“Ainda há um gap na utilização da internet entre a população dos mercados emergentes quando comparados com Europa e América do Norte. Na China, por exemplo, há 485 milhões de usuários de internet, o que representa apenas 36% da população atual. Na Índia menos de 10% da população acessa a internet. Uma grande oportunidade para explorar essas regiões ainda”, comenta Martinez.