Planos corporativos para Social-networking

Planos corporativos para Social-networking. Uso de redes sociais por empresas para conhecer melhor seus clientes e o sentimento deles em relação à marca estará no topo dos investimentos em 2012, segundo estudo do Nucleus Research. O “Top Ten Predictions for 2012” do instituto, aponta também uma grande tendência no uso de ferramentas de gestão empresarial (ERP) a partir de dispositivos móveis.

O impacto do surgimento das redes sociais é comparável ao do e-mail, há dez anos, para o instituto de pesquisa. As redes sociais serão agentes transformadores e os dispositivos móveis impulsionam ainda mais esses meios, pela facilidade de acesso que proporcionam. As companhias bem-sucedidas em 2012 irão utilizar a “tecnologia social para a construção de negócios produtivos”, diz a Nucleus.

Essa tendência é notada nas empresas brasileiras de diferentes setores. Instituições que ainda não estão presentes nas redes pretendem investir na área no ano que vem e as que já estão inseridas desejam ampliar o setor. Segundo Antonio Gil, CIO da Deten Química SA, a companhia, que ainda não atua nas redes, está elaborando uma estratégia em conjunto com a área de comunicação para a participação da empresa no Facebook, Youtube e SlideShare, a partir de 2012.

Já a Transportadora Patrus pretende terceirizar o gerenciamento das redes sociais da instituição devido ao crescimento da área, segundo o CIO da empresa, Manuel Landeiro. Hoje, os canais da Patrus na internet são de responsabilidade de uma equipe de comunicação, mas “como o trabalho tem crescido exponencialmente, estamos avaliando a contratação de uma empresa especializada no monitoramento das nossas marcas, Patrus e IMAP, nas redes sociais”, afirma.

Em relação à consumerização, introdução de dispositivos pessoais na rede corporativa, as empresas do país ainda analisam a solução com cautela, embora essa seja uma tendência apontada para o mercado de TI em 2012. O uso de dispositivos móveis e a integração do ERP da empresa a esses aparelhos e às redes sociais são restritos ou inexistentes.

Na Deten Química “os dispositivos devem ser aprovados previamente pela TI. Hoje, as gerencias e chefias têm acesso a seus e-mails e acesso a aplicações via tablet”, diz Antonio Gil. No entanto, o executivo afirma que, no momento, o ERP da empresa não é integrado a dispositivos móveis ou às redes sociais. Na Patrus, segundo Landeiro, ainda não é permitido o uso de dispositivos na rede corporativa. “No futuro, estamos pensando em permitir este acesso, mas apenas numa VLAN bem restrita”, conclui.